Livro em Feltro com Led

  • Esta atividade faz parte da

    Ateliê Costura: cada ponto aumenta o conto – Criatividade e experimentação no universo da costura.

  • +A
Relembrar um passado sem energia elétrica, ou mesmo se lembrar daqueles que vivem ainda hoje sem ela, é o ponto de partida para uma atividade lúdica e reflexiva sobre a presença da tecnologia em nossas vidas.
Através de colagem e costura em feltro, as famílias são guiadas a reflexão: onde há luz além da luz? Essa reflexão busca valorizar elementos cotidianos para além dos estímulos da tecnologia ao qual a criança é exposta. Através de linhas de costuras condutivas ligadas à bateria, esses LEDs são acesos, revelando a luz própria de cada elemento/personagem.
Assim pais e filhos podem costurar em feltro uma realidade imaginada sobre a vida sem energia elétrica, que resulta em um pequeno livro eletrônico e artesanal para cada participante. Com Marcela Guerra – Coletivo Sítio do Astronauta.Espaço de Tecnologias e Artes
O trabalho está aqui: https://www.pinterest.com/verahl/livro-em-feltro-com-led/
A historinha contada no meu livrinho, basicamente é sobre a vinda de um bebê na família.
O exame positivo, a luz que virá, o quartinho preparado.
O nascimento do bebê, dar à luz, literalmente, e com o bebê no colo, sua mãe entoa cantigas de ninar.
O batizado, o nascimento pela água. Luz da vida. Jesus Cristo.
O aniversário e a magia das velinhas sendo sopradas.
A escola, e a luz do conhecimento.
A praia, com a luz do sol.
E o Natal, simbolizado pela árvore, brinquedos e a estrela que brilha.

Arrumações

Que dificuldade arrumar o quartinho dos fundos. Lá foram guardados, empilhados, despejados tudo aquilo que não queríamos mexer. Mas agora, antes que chamem a saúde pública, que comecem a achar que o mal cheiro vem de lá….. eu achei melhor tomar a frente e limpar a área.

É verdade que a bagunça maior é minha. Com as mudanças de escritório, desfazimento de sociedades porque minhas colegas passaram em concurso, casaram e resolveram não mais advogar, tudo o que é pasta, arquivo morto, petições e documentos antigos ficou como herança. Maldita, mas herança….

Mas há mais de um mês o quartinho vem sendo paulatinamente esvaziado dessas tralhas. Valdir pintou, Magno aceitou retirar os móveis que não quero mais manter, o computador antigo, ainda que funcione em rede e, bem, não mais nos levou lá pra trás. Todo mundo usa notebooks, e outros aparelhos mais modernos e ele ficou lá, tomando pó. Agora, já tem  destino certo, a casa da Yara, pra substituir seu anterior, que irá pro Victor, seu netinho.

Fora as CPU´s do Magno que insistia em manter lá para uma eventualidade. Não descobri qual, e ele acabou se desfazendo delas.

Rasguei papel hoje. Muito. Uma liberdade sem fim! Ufa! chega!

Ainda assim, falta muita coisa. Mas já vejo uma luz no fim do túnel, ou melhor, no fim do quartinho, que está ficando com uma cara boa. Quem sabe até passo a usar como atelier, um sonho acalentado há anos.