Vasinhos de kalanchoes ganham imãs para decoração de superfícies metálicas

Fonte: Vasinhos de kalanchoes ganham imãs para decoração de superfícies metálicas

Estive em Holambra há dois meses apenas. Teria comprado um monte… Como não vi, talvez ainda não tivessem lançado mesmo, comprei para dar de presente, vasinhos com terra e bulbos de trevo quatro folhas para plantar.
Dei de presente para 9 pessoas, e fiquei com um.
Meus netinhos foram os últimos a plantar, há uma semana.
Pretendo escrever sobre os presentes, os escolhidos e o resultado.

Água gelada, só pra beber….

cropped-agua-geladaSou encalorada. Não tem nada com menopausa ou coisas do gênero, da idade, etc. Sou assim desde sempre. E odeio. Detesto.

Transpiro. Muito. Não pretendo fazer nenhum tratamento invasivo  ou antiperspirante  para diminuir essa sensação. Invasivos, pelo óbvio, e antiperspirantes por conta do meu pai nunca ter nos deixado usar, primeiro por que não é bom,  nem saudável impedir a transpiração. E os componentes que conseguem essa façanha têm contraindicações.  Difícil.

Mas, não gosto do frio… Vá entender….

Gosto do sol. Gosto da piscina.

Gosto de beber água gelada. No inverno.

Mas, não tomo banho frio. Nem no verão. Aqui, no inverno, todas as noites mudo o chuveiro para o máximo e o Magno, para o médio. Não combinamos em nada, lembram? Nem na temperatura da água do chuveiro. Talvez, porisso, ainda casados, há 38 anos…rs

Nado no SESC Santos. Piscina aberta, antes aquecida. Mas, há um tempinho, talvez uns dois anos, os aquecedores foram pifando e nós fomos nadando assim mesmo. Mas não é fácil.

Este ano, nadei até o mês de março, mas começou esfriar, ventar muito, comecei fingir que não é comigo. Além disso, fiz uns exames médicos e precisei aguardar diagnóstico para receber novamente, autorização, que Graças a Deus, não deu nada e já está tudo bem.

Mas, e a coragem? Não vende na farmácia.

Com a autorização para atividade física e o sol lá fora, resolvi que de hoje não passava.

Depois da missa Thais me deu carona, sem antes me fulminar com aquele olhar de coitada….é doida….

Fiz os exames clínicos e dermatológicos e fui pro vestiário, pensando em deixar para começar a nadar. Em dezembro…

Depois de passar pela ducha/lava-pés, fui para espreguiçadeira tomar um pouco de sol, para me animar.

Nas raias, apenas dois loucos, ou melhor dois nadadores. Marilise, um deles. Cheguei perto e ela me disse com voz estranha… está G E L A D A.

Sentei-me na beirada da piscina, com os pés dentro d´água. Resolvi que não passaria dessa etapa.

Rafael Lascane, guarda-vidas me incentivando a entrar logo e nadar. Contou que já havia nadado e que estava ótima a água. (Não o vi nadando, apesar de achar que não mente…rs)

Fiquei ali, balançando as pernas, molhando os braços e pensando, só se me jogarem.

Fui sentar na escada, um degrau abaixo da borda e continuava pensando no que estava fazendo ali. Qual a necessidade? Alguma prova de resistência? competição? aposta?

Mas desci mais um e quando vi, estava em pé (na ponta dos) dentro dela.

Rafael, salva-vidas e um dos piscineiros foram fazer as medições do PH etc e ficaram me convencendo de que nadar nesta temperatura enrijece os músculos, faz bem para a circulação etc…

Eu andei de lá pra cá e de cá pra lá para aquecer, mas, isso não acontecia.

A verdade é que fiquei e fui ficando, ouvindo os incentivos do Rafael, falando que já ia começar,  mas não me mexendo para mudar minha posição de vertical para horizontal.

O sol foi sumindo por conta do prédio que invade a piscina com sua sombra. E eu, mudando de raia por conta disso. Rafael ainda ficou falando, como vai explicar pro marido que veio nadar e está com os cabelos secos? E eu dizendo que ia contar que no vestiário agora tem secadores de cabelo.

Mas acabei boiando e com a metade da touca já molhada, virar e nadar não foi tão difícil. Na verdade, eu acho que já estava anestesiada portanto, não posso relatar exatamente como foram as sensações de colocar o rosto dentro d´água. A verdade é que depois disso, tudo fica mais fácil. Estou muito fora de forma e o treino foi bem lento para não ter alguma distensão ou coisa que o valha.

Saí da piscina me sentindo um cubo de gelo. Bom, na verdade, um paralelepípedo de gelo… Fiquei na espreguiçadeira, com um sol muito gostoso, tomando consciência dos meus dedos dos pés, articulações, até chegar nos cabelos. Tudo certo e descongelado.

Os salva-vidas Afrânio e Ari ficaram me falando sobre modificações do SESC em relação aos usuários, nos  quais me incluo e estão chateados com os cortes que acontecerão, mais dia, menos dia. Enquanto eu puder frequentar, lá estarei.

 

 

 

Corujinhas- origami

Como pode um pedacinho de papel se transformar em tanto objeto de desejo?

Ontem, pesquisando na net lembrancinhas de chá-de-bebê, maternidade, etc, achei essa coisa fofa aqui:

Então, depois de uma feita com sulfite, fui aos meus papéis de origami que Karina trouxe dos EUA pra mim e fiz esta aí.

O diagrama foi desenvolvido por Shoko Aouagi.

Os olhinhos são aqueles de plástico, com a bolinha solta dentro e que eu acho que em algum lugar do passado…. eu tenho…

Segue um diagrama fácil, o mesmo do início do tsuru e depois outras dobradas desenvolvem a corujinha.

Amei. Pelo sim, ou pelo não, ela é o símbolo da mãe protetora, que penso, fazer parte do clube.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Pitangas

Conversando com meu dentista, soube que ele tinha uma pitangueira no quintal, e que ninguém colhia ou saboreava essa fruta.

Candidatei-me, graciosamente, a receber a safra…rs

E aqui, junto com Magno e meu sogro, saboreamos uma grande quantidade delas.

Deliciosas e linda.

Pequenas Felicidades

Ontem, fui até Itanhaém. Distribuí uma inicial, fiz cartório. Na sala da OAB daquele fórum dei uma checada nos e-mails e vi que podia fazer tudo o que eu programei para o dia. Eu, minha companhia.

Fui até a praia, seguindo em frente à rua do fórum trabalhista e não me animei em descer para fazer uma caminhada. Achei muito deserta e, sou medrosa.

Do fórum, decide que iria aproveitar e passar em Praia Grande para procurar nadadeiras/pés de pato para colocar em prática o treino que não faço completo por falta desse material.

Primeiro fui à uma loja no shopping, chamada Centauro, mas lá não encontrei. Fui achar na declathon, como eu queria. Rosa pink, bem mulherzinha. O preço, o mesmo por aí.  Comprei mais umas coisinhas, toalha super absorvente para academia, um biquíni para natação e uma sacola para levar esses apetrecho até à piscina.

Pequenas felicidades. Agora é usar para melhorar o condicionamento, a força e o tempo.

Nada, nadar, natação

Piscina.

Olhava sempre, com aquele olhar de cobiça quando se deseja alguma coisa que não se pode ter. Ou não se tem coragem para ir buscar.

Mas dentro de mim, a vontade de nadar venceu o medo.

O medo, a vergonha, a falta de jeito, os micos, as engasgadas e as águas engolidas….

Vi uma senhora, que mais tarde conheci, a Margarida, pular na piscina do SESC Santos e, sair nadando. Não foi um pulo olímpico, nem suas braçadas, as de uma campeã, ao contrário, deu aquela barrigada e saiu nadando meio de lado, circulando a piscina, com um nado um tanto pitoresco.

Pensei, como eu, que devo ter a metade da idade dela, vou ficar aqui olhando, enquanto que aquela senhora pulou e saiu nadando, feliz, do jeito dela??  depois soube que ela tinha 86, enquanto que eu, tinha 47…

Dali, naquele minuto fui para a central de cursos. Mas, me inscrevi na hidroginástica….

Entrar para a turma da hidro de terças e quintas-feiras, com a professora Luciana Itapema, foi o primeiro passo. As aulas eram deliciosas. Para o alongamento final, a música que ela colocava para o relaxamento, era sempre  WHAT A WONDERFUL WORLD com o Louis Armstrong. Isso sim, era fechar a aula com chave de ouro!

Ficava ali, deitada, de olhos fechados, relaxada, ouvindo aquela música, era demais!

Até que um dia, falei para ela que queria aprender a nadar, mas não queria pagar micos… Ela me falou para ir às 7h00. E foi o que eu fiz, num dia de janeiro. De lá pra cá, só prazer.

Aprendi, é verdade. Mas passei por todos os vexames…. um dia conto…