Água gelada, só pra beber….

cropped-agua-geladaSou encalorada. Não tem nada com menopausa ou coisas do gênero, da idade, etc. Sou assim desde sempre. E odeio. Detesto.

Transpiro. Muito. Não pretendo fazer nenhum tratamento invasivo  ou antiperspirante  para diminuir essa sensação. Invasivos, pelo óbvio, e antiperspirantes por conta do meu pai nunca ter nos deixado usar, primeiro por que não é bom,  nem saudável impedir a transpiração. E os componentes que conseguem essa façanha têm contraindicações.  Difícil.

Mas, não gosto do frio… Vá entender….

Gosto do sol. Gosto da piscina.

Gosto de beber água gelada. No inverno.

Mas, não tomo banho frio. Nem no verão. Aqui, no inverno, todas as noites mudo o chuveiro para o máximo e o Magno, para o médio. Não combinamos em nada, lembram? Nem na temperatura da água do chuveiro. Talvez, porisso, ainda casados, há 38 anos…rs

Nado no SESC Santos. Piscina aberta, antes aquecida. Mas, há um tempinho, talvez uns dois anos, os aquecedores foram pifando e nós fomos nadando assim mesmo. Mas não é fácil.

Este ano, nadei até o mês de março, mas começou esfriar, ventar muito, comecei fingir que não é comigo. Além disso, fiz uns exames médicos e precisei aguardar diagnóstico para receber novamente, autorização, que Graças a Deus, não deu nada e já está tudo bem.

Mas, e a coragem? Não vende na farmácia.

Com a autorização para atividade física e o sol lá fora, resolvi que de hoje não passava.

Depois da missa Thais me deu carona, sem antes me fulminar com aquele olhar de coitada….é doida….

Fiz os exames clínicos e dermatológicos e fui pro vestiário, pensando em deixar para começar a nadar. Em dezembro…

Depois de passar pela ducha/lava-pés, fui para espreguiçadeira tomar um pouco de sol, para me animar.

Nas raias, apenas dois loucos, ou melhor dois nadadores. Marilise, um deles. Cheguei perto e ela me disse com voz estranha… está G E L A D A.

Sentei-me na beirada da piscina, com os pés dentro d´água. Resolvi que não passaria dessa etapa.

Rafael Lascane, guarda-vidas me incentivando a entrar logo e nadar. Contou que já havia nadado e que estava ótima a água. (Não o vi nadando, apesar de achar que não mente…rs)

Fiquei ali, balançando as pernas, molhando os braços e pensando, só se me jogarem.

Fui sentar na escada, um degrau abaixo da borda e continuava pensando no que estava fazendo ali. Qual a necessidade? Alguma prova de resistência? competição? aposta?

Mas desci mais um e quando vi, estava em pé (na ponta dos) dentro dela.

Rafael, salva-vidas e um dos piscineiros foram fazer as medições do PH etc e ficaram me convencendo de que nadar nesta temperatura enrijece os músculos, faz bem para a circulação etc…

Eu andei de lá pra cá e de cá pra lá para aquecer, mas, isso não acontecia.

A verdade é que fiquei e fui ficando, ouvindo os incentivos do Rafael, falando que já ia começar,  mas não me mexendo para mudar minha posição de vertical para horizontal.

O sol foi sumindo por conta do prédio que invade a piscina com sua sombra. E eu, mudando de raia por conta disso. Rafael ainda ficou falando, como vai explicar pro marido que veio nadar e está com os cabelos secos? E eu dizendo que ia contar que no vestiário agora tem secadores de cabelo.

Mas acabei boiando e com a metade da touca já molhada, virar e nadar não foi tão difícil. Na verdade, eu acho que já estava anestesiada portanto, não posso relatar exatamente como foram as sensações de colocar o rosto dentro d´água. A verdade é que depois disso, tudo fica mais fácil. Estou muito fora de forma e o treino foi bem lento para não ter alguma distensão ou coisa que o valha.

Saí da piscina me sentindo um cubo de gelo. Bom, na verdade, um paralelepípedo de gelo… Fiquei na espreguiçadeira, com um sol muito gostoso, tomando consciência dos meus dedos dos pés, articulações, até chegar nos cabelos. Tudo certo e descongelado.

Os salva-vidas Afrânio e Ari ficaram me falando sobre modificações do SESC em relação aos usuários, nos  quais me incluo e estão chateados com os cortes que acontecerão, mais dia, menos dia. Enquanto eu puder frequentar, lá estarei.

 

 

 

Kirigami 3ª aula

Ai que delícia, aprender.

Seja o que for.

Sempre acrescenta.

E, com uma técnica, outra explicação, uma idéia aqui, outra ali e vamos criando em cima do que vamos aprendendo. 

Aqui o passo-a-passo do cartão do meu cisne.

ImagemImagemImagemImagemImagemImagemImagemImagemImagemImagemImagemImagemImagemImagemImagemImagemImagemImagemImagemImagem