O recalque.

Não gosto de rotular pessoas. Afinal de contas, rotular é restringir. E uma pessoa não pode ser só aquilo que diz o rótulo. Claro, existem as exceções. As recalcadas, por exemplo. Pessoas recalcadas, não são restritas, afinal de contas, uma pessoa recalcada, não o é por um problema só. Ela é recalcada por milhões de causas. Ah, vamos por ordem.

Alfabética?

Recalques por conta da:

Alegria , dos outros.

Da Altura, dos outros.

Da Beleza, dos outros.

Da Bondade, dos outros.

Da Caridade, que os outros fazem.

Do Carinho, que os outros, recebem.

Da Dedicação, dos outros.

Da Disposição, dos outros.

Do Entusiasmo, dos outros.

Da Felicidade, dos outros.

Da Gratidão, dos outros.

Da Harmonia, que os outros demonstram viver.

Da Inquietude, em que vivem.

Da Justiça, que entendem ser merecedores.

Da Lealdade, que não recebem.

Da Musicalidade, que não possuem.

Da Negação, em que vivem.

Do Orgulho que lhes cegam.

Da Pureza, que negam existir em alguém.

Do Preconceito, que possuem e sofrem também.

Das pessoas Queridas, que não lhe enxergam.

Das Ricas, pela inveja que sentem.

Das Saudáveis, mas nada fazem para cuidar de si.

Das sofridas, porque enxergam ser mais ainda.

Das que são ternas, já que desconhecem esse sentimento.

Da tristeza, que pensam que só elas sofrem.

Da união que não conseguem em nada do que vivem.

Das pessoas verdadeiras, porque prefere viver com a falsidade.

Das vítimas, porque até isso lhes causam recalques. Sentem-se mais vítimas do que as outras. E, não enxergam como são privilegiadas.

Das xiliquentas, porque não possuem a mesma coragem.

Das zelosas, coisa que jamais quiseram ser com coisa alguma.

Às vezes não se percebe, à primeira vista, seu recalque/recalques, mas basta um olhar mais atendo, um ouvido mais apurado e, tcharam! abrem-se sem qualquer pudor. Não têm papas na língua e despejam seus pensamentos, ressentimentos bem no meio da nossa cara.

A salada já está pronta. E, você não consegue ter, sequer separar o joio do trigo, de aprofundar o que a ponta do iceberg mostrou.

E. você se sente enganada, porque pensou que estivesse fazendo tudo para que esses sentimentos sequer passassem na porta. E, eles estão instalados bem no meio da sala de visitas, no sofá da sua casa.

Por ordem de prioridade?

O seu problema é maior do que o dos outros.

O seu salário,  é menor do que o dos outros.

A sua saúde está mais abalada do que a dos outros.

O seu plano de saúde está falido. (aqui, tá difícil heim….)

O seu tempo é mais curto do que o dos outros.

Seu seguro, segura menos do que o dos outros.

Sua internet é mais lenta do que a dos outros.

E, por aí, vai…. sem fim.

Tempo – blogagem coletiva

O tema da blogagem coletiva do nosso grupo no facebook esta semana é este aqui:

fale sobre tempo livre, tempo ocioso, ou falta de tempo, pressa, pausa, relógios, horários, agendas: como você lida com isso?

Para mim, feliz escolha, haja vista a coincidência por conta de estar lendo o livro “Passagens de Tempo”, do escritor italiano, médico psiquiatra Mauro Maldonato. Assisti seu lançamento, participei do coquetel, comprei o livro.

E estou gostando.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Para aproveitar o tempo, penso que minha melhor amiga hoje, é a agenda.

Agenda real, de papel, que anda comigo na pasta, no carro.

Agenda virtual, do g mail, que uso, copio, colo, que me avisa por e-mail, dos compromissos, audiências, aulas, pagamentos, assim, meu tempo organizado.

Agenda que visualizo no smartphone e com isso, não perco tempo…. esse meu tempo, preciso e precioso.

Nossa, vc faz tudo isso? Ouço muito. E eu penso… queria fazer mais….rs mas nem verbalizo, para não ouvir as explicações desse meu tempo aplicado, usado, e contado.

Mas, como o tema leva em conta, esmaltes/semanais, aqui o cerne da questão…

Quartas-feiras, dia de fazer “azunhas”. (pés e mãos)

Nas quintas-feiras intercaladas, só as mãos.

Yara vem cedo e eu tiro realmente esse tempo para cuidar delas. Chova ou faça sol.

Com tanta idéia para pintarmos as unhas, Yara fez algumas experiências e esta aqui foi a

escolhida para esta semana.

Tempo, imaterial,  caro, fugaz, consistente,  instigante.

Antagônico, belo, cruel, desmotivante, efêmero, fugidio, gentil, humilde, ingrato, justo, leve, mau, novo, odioso, poderoso, quieto, rude, sagaz, tenso, útil, vago, xiliquento, zás-traz.

Faço muita coisa com meu tempo. Ele, meu tempo, não desperdiço. Uso todo segundo que ele me apresenta.

Penso no Silvio, meu irmão, que dizia que não gostava de dormir, porque considerava perda do seu tempo. E, no caso dele, tinha razão, pois faleceu aos 17 anos….. Tomara que tenha conseguido, em troca de suas noites, ter aproveitado o pouco tempo que teve ao seu dispor.

Já ouvi pessoas dizerem que nós, os que fazemos muitas coisas, as fazemos para fugir de algo, de situações, de nós mesmos.

Pode ser.

Mas essa “fuga”, é o mínimo proveitosa. Conheço gente que passa o dia assistindo televisão, fazendo nada  e acha que isso é o que tem pra fazer com seu tempo….

Meu tempo é preenchido com tudo o que gosto. Com música, arte, trabalho, culinária, cuidados, leitura, internet, blogs, e-mail’s, facebook, carinho, filhos, tias, irmã, piscina.

Fujo do quê? ah se isso for fuga, então, fujo… da mesmice, da preguiça, da indiferença, da tristeza, daquilo que não posso mudar.

Queria contagiar todos os que estão ao meu redor, que aproveitassem seu tempo para aprender um instrumento, fazer um artesanato, escrever um blog, costurar, bordar, dobrar, mas esse é um desafio e tanto….

Só queria mais tempo para poder dar vazão a tudo o que meu coração anseia em aprender e minhas mãos esperam poder fazer.